Colégio de Presidentes da OAB Minas debate demandas da advocacia mineira

Publicado pela assessoria de comunicação em 30/08/2018

Com a presença maciça de presidentes das subseções de todo o estado, a OAB Minas realizou o Colégio de Presidentes, em Belo Horizonte, no sábado (25/8).  O encontro liderado pelo presidente da seccional mineira, Antônio Fabrício Gonçalves, discutiu a pauta demandas apresentadas pelos representantes das OABs locais.

Antônio Fabrício destacou a importância da união da classe na busca de melhorias e valorização de toda a advocacia no estado. O coordenador do colégio, presidente da subseção de Uberaba, Flávio Vicente Macedo Ribeiro, disse que o debate proposto fortalece a instituição e os advogados.   

Para Vicente Flávio, em meio a 237 subseções Uberaba ter sido escolhida como coordenadora do Colégio de Presidentes já demonstra uma valorização por parte da diretoria estadual. “Essa aproximação de Uberaba com a capital nos traz as oportunidades que não teríamos se estivéssemos distantes. Quem está mais ligado à Capital naturalmente tem conhecimento das novidades em primeiro lugar’, explica o presidente.

Os pontos principais abordados no encontro foram o Cejusc; dativos; renegociações anuidades e redução da inadimplência; questões administrativas; relacionamento com a Justiça mineira; remuneração dos fiscais presentes nos exames da OAB; aviltamento de honorários entre outros. 

Vicente Flávio afirma ainda que o Colégio de Presidentes teve uma inversão. “No passado os diretores do Sistema OAB expunham todos os fatos aos presidentes que não tinham voz. De Juiz de Fora para cá, de forma muito democrática, a diretoria entendeu por inverter isso. Agora os presidentes levam as demandas para o Colégio de Presidentes antes do evento, buscamos cada responsável pelas demandas que vai até a reunião e justifica suas razões em forma de sustentação oral e o encaminhamento é providenciado. O ganho com isso é muito grande e é muito esclarecedor porque nivelam-se as informações das 237 subseções. Se antes o Colégio de Presidentes ficava um dia inteiro para resolver dois ou três temas, agora em uma manhã damos andamento em 20 temas da pauta”, pontuou o coordenador do Colégio de Presidentes.